Tu que povoastes sim meu primeiro sonho,
com a sutil mágica de adolescentes odaras,
hoje pensativo eu aqui na solidão me ponho,
a imaginar onde e com quem agora andaras?

Ali sentados juntos naquele banco da praça,
nas idas tardes de domingo nós dois a sorrir,
eu jovem embevecido por teu sorriso e graça,
não conseguia a minha paixão louca assumir.


Lembro-me que ali absortos e descontraídos,
juntinhos no banco da praçinha nós juramos,
perene amor, e tudo e de todos ali abstraídos,
em um cálido beijo, eterno amor nos selamos.


Hoje revendo no velho canto o mesmo banco,
vejo-me só imaginando aquele meu arroubo,
eu sem saber o que falar, rosto ainda branco,
tu de olhos cerrados a espera de outro roubo!



Ermindo Gomes Rocio










Melhor visualizado na resolução 1024x768