A poeira sem vida se levantou
Pareceu criar formas e se agitar,
e do nada o redemoinho se formou,
cambaleou, parecendo desmaiar.

Mas o vento o vendo fraco assim
do ventre forte lufada soprou
e a brisa com cuidados sem fim
o tocou, endireitou... amparou...

Eis que, geme então o redemoinho:
Brisa amiga, como é triste estarmos só,
no mundo a vagar sempre sozinho.

A brisa correu, assoviando no caminho,
Só não se vive mesmo sendo pó.
Mas agora em forma de redemoinho...

Ermindo Gomes Rocio


 


 

ERMINDO GOMES ROCIO - VOLTAR

Criação de Páginas